Sexta, 14 Setembro 2018 17:21

Assinado 1º Projeto Acadêmico de Prestação de Serviço (PAPS) da Unifesp

Regulação e modelo de projeto acadêmico garantem ressarcimento da infraestrutura da Unifesp

Por Daniel Patini e Valquíria Carnaúba

PAPS Portal
(Da esq. p/ a dir.): Nelson Sass, vice-reitor da Unifesp; Antonio de Miranda, docente do Departamento Departamento de Biofísica e coordenador do NuBio; Clovis Ryuichi Nakaie, docente do Departamento de Biofísica da EPMUnifesp e fundador do antigo Nubec; Jane Zveiter de Moraes, diretora-presidente da FapUnifesp; Soraya Smaili, reitora da Unifesp; e Tânia Mara Francisco, pró-reitora de Administração

Foi assinada, na manhã do dia 14/9, a parceria entre a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Fundação de Apoio à Universidade Federal de São Paulo (FapUnifesp) para o início da execução do primeiro Projeto Acadêmico de Prestação de Serviço (PAPS). Os PAPS são projetos de natureza extensionista, intersetorial, aprovados pelo Conselho de Extensão e Cultura (Coec), e têm um Comitê de Acompanhamento coordenado pelo Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) e pelas Pró-Reitorias de Pós-Graduação e Pesquisa (PROPGPq), de Extensão e Cultura (Proec) e de Administração (ProAdm), contando com a participação da FapUnifesp.

O primeiro projeto PAPS “Estudos de Biomoléculas em Meios Biológicos”, apresentado pelo Departamento de Biofísica, é de iniciativa do Núcleo de Bioequivalência e Ensaios Clínicos (NuBio/Unifesp), antigo Nubec, um centro bioanalítico de referência multiusuário, onde pesquisadores da Unifesp e de outras instituições (públicas e privadas) podem desenvolver trabalhos de dosagem, caracterização e quantificação de moléculas bioativas, que impactam diretamente diversas áreas do conhecimento – como Farmacologia, Oncologia, Genética, Imunologia, Obstetrícia e Endocrinologia.

Por meio do desenvolvimento da prestação de serviços, com os recursos advindos dos PAPS, o NuBio terá melhores condições de continuar proporcionando a formação de mais recursos humanos por meio de cursos de pós-graduação e de extensão, juntamente com a capacitação de novos pesquisadores, discentes, docentes e funcionários especializados nessa área de fundamental importância para a universidade, tendo interface com políticas públicas da área de saúde, educação e ciência e tecnologia. Para Antonio de Miranda, professor titular do Departamento de Biofísica da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) - Campus São Paulo, coordenador do NuBio e do PAPS “Estudos de Biomoléculas em Meios Biológicos”, o núcleo poderá dar suporte tanto a projetos em universidades como a empresas. “O foco é a geração de novos processos, produtos, serviços e novas formas de tratamento clínico que muito beneficiarão a nossa sociedade”, comemora.

O novo modelo de prestação de serviço

O modelo de prestação de serviço da Unifesp, regulado pela Resolução 138/2017 do Conselho Universitário (Consu), está em consonância com o Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei nº 13.243/2016 e Decreto nº 9.283/2018) e reflete a importância das parcerias, da normatização de processos internos com segurança jurídica, e de um modelo de gestão com a participação da FapUnifesp para o desenvolvimento de projetos. “Esse modelo prevê que a prestação de serviço pode ser praticada pela universidade, desde que atendidas sua finalidade e missão, caracterizadas pelas atividades de ensino, pesquisa e extensão, com potencial de impacto nas políticas públicas”, relata Larissa Beltramim, assessora do Gabinete da Reitoria.

Pollyana Varrichio, diretora do NIT, vai além e explica a relação entre o PAPS e a Política de Inovação da Unifesp, atualmente em construção. “Com a criação do Grupo de Trabalho da Política de Inovação, responsável por regulamentar e avançar nas discussões referentes à inovação tecnológica, uma das principais demandas da comunidade acadêmica foi sobre o tema da prestação de serviços técnicos especializados. A Resolução 138, que regula os projetos acadêmicos de prestação de serviço técnico especializado, foi um dos primeiros resultados do GT de Política de Inovação”, comemora.

A reitora da Unifesp, Soraya Smaili, ressalta que esse novo projeto pelo NuBio é motivo de muita celebração. “Esse primeiro PAPS é um momento histórico para a universidade no sentido de encontrar soluções para as suas ações, além de trazer uma perspectiva positiva para os outros que já foram solicitados e que estão sendo avaliados”, finaliza.

Lido 1741 vezes Última modificação em Quarta, 17 Outubro 2018 23:40

Mídia