Quinta, 23 Julho 2020 21:45

Atividades acadêmico-assistenciais do HU2 são iniciadas

Unidade funcionará no regime de hospital-dia e terá capacidade de atender cerca de 30 mil consultas ao mês 100% via SUS

Por José Luiz Guerra


Foram iniciadas, na manhã de 23 de julho, as atividades acadêmico-assistenciais do Hospital Universitário 2 (HU2), unidade hospitalar gerenciada pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) que funcionará em regime de hospital-dia, com atendimentos feitos 100% via Sistema Único de Saúde (SUS).

O complexo dispõe de uma área de mais de 16 mil m², distribuída em 12 andares e quatro subsolos, com 77 consultórios, centro de diagnóstico e seis salas cirúrgicas para procedimentos de baixa e média complexidade. Com o funcionamento pleno, a previsão é de que a unidade tenha capacidade de atender a cerca de 30 mil pacientes por mês entre as suas especialidades ambulatoriais.

A cerimônia, que foi realizada de forma remota, em razão da pandemia, contou com a participação do secretário de Educação Superior (Sesu/MEC), Wagner Vilas Boas de Souza, do presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Oswaldo Ferreira e do assessor da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Olimpio Bittar. Representando a Unifesp, participaram a reitora, Soraya Smaili, o vice-reitor, Nelson Sass, os diretores da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp), Manoel Girão, da Escola Paulista de Enfermagem (EPE/Unifesp), Janine Schirmer, o diretor-superintendente do Hospital São Paulo (HSP/HU Unifesp), José Roberto Ferraro, além de pró-reitores, diretores de campi e de departamentos acadêmicos e administrativos.

Sass, que coordena a Diretoria de Implantação do HU2, iniciou os pronunciamentos afirmando ser um privilégio testemunhar a entrega de um projeto feito por várias mãos e destacou o trabalho feito pelas diretorias do Campus São Paulo e de suas unidades acadêmicas, além do HSP/HU Unifesp e pelos servidores e colaboradores da instituição, além do apoio do Ministério da Educação, da Sesu/MEC e da Ebserh. "O trabalho só foi possível graças a um rol de pessoas que se dispuseram a trabalhar 24 horas por dia. Temos agora um equipamento de saúde federal, voltado para atender a população de forma rápida e eficiente, possibilitando o diagnóstico adequado e procedimentos como pequenas cirurgias que não necessitem de longas internações", disse o vice-reitor.

A diretora de implantação do HU2, Ieda Maugeri, agradeceu, nominalmente a cada um dos que participaram do processo de implantação do hospital. "Não chegaríamos a este momento se não fosse a ação desses vários atores. Mudamos para esse equipamento prioritariamente aos finais de semana, gerando o mínimo de transtorno para a população". Ela também agradeceu o apoio recebido pelos órgãos governamentais na disponibilização de recursos. "Esse apoio nos permite realizar a nossa principal missão, que é trabalhar em prol da sociedade", completou.

David Pares, chefe do Departamento de Obstetrícia, falou em nome dos representantes dos departamentos que já funcionam no local e disse ser uma honra poder participar do processo, que, em sua visão, acrescenta de forma substancial para o ensino, pesquisa e extensão. "Nossos atendimentos eram feitos em casas alugadas, nas quais não dispúnhamos das estruturas necessárias. Hoje podemos atender aos pacientes de forma multidisciplinar, em um ambiente amplo e agradável tanto para os profissionais de saúde quanto aos pacientes", reforçou.

Ferraro afirmou que a data marca a realização de um antigo sonho. "Este é um ambiente completamente adequado à legislação sanitária e que dignifica ainda mais nosso ensino e nossa pesquisa e, em consequência, a extensão". O diretor-superintendente aproveitou para destacar a importância do SUS e da universidade pública para o atendimento à população, o que ficou ainda mais evidenciado durante a pandemia da covid-19.

Manoel Girão também externou sua alegria de ver um projeto, iniciado pelo Departamento de Oftalmologia da EPM/Unifesp há cerca de 10 anos, ser concluído pela Unifesp e afirmou que o local reverterá à população o investimento recebido para a conclusão da obra. Na mesma linha, a diretora da EPE/Unifesp, Janine Schirmer ratificou que a atenção primária é uma das prioridades do SUS e que o espaço vai possibilitar a melhora no atendimento dos pacientes e nas discussões de casos entre profissionais da saúde.

Representando a Secretaria de Estado da Saúde, Olimpio Bittar destacou que a inauguração do HU2 é de enorme importância para o ensino, a pesquisa e a extensão e reforçou a parceria de décadas existente entre a secretaria e a universidade e o Hospital São Paulo. Vilas Boas afirmou que, mais do que os números que indicam a estrutura física do novo espaço é a quantidade de vidas que poderão ser salvas a partir do atendimento realizado no local. O secretário da Sesu/MEC lembrou também da boa relação existente entre o órgão e a Unifesp e da capacidade e qualidade da universidade, não só na assistência aos casos de covid-19, como também nas dezenas de pesquisas desenvolvidas durante o período e reforçou que a Sesu/MEC continua à disposição da Unifesp, além de parabenizá-la pelo "lindíssimo trabalho".

"Para a Ebserh é um prazer e uma honra poder participar de um evento desse porte. Cumprimento a todos os que se empenharam na conclusão dessa belíssima obra, que será mais bela ainda por melhorar e apoiar o nosso SUS", celebrou o presidente, Oswaldo Ferreira. Ele lembrou que a entidade trabalha com dois pontos sensíveis e necessários à sociedade, que são a educação e a saúde. "O HU2 é um avanço extraordinário e temos nos gestores SUS um apoio importante para oferecer atendimento de qualidade à população.

Encerrando as falas, a reitora Soraya Smaili celebrou a inauguração da unidade e destacou que ela só foi possível em razão de um trabalho conjunto e integrado. "A gestão da obra foi feita de forma adequada e organizada, contando com apoio de todas as gestões do MEC desde o início do processo. " Apresentamos hoje o resultado de um trabalho de muitos anos". Soraya ressaltou que os trabalhos continuaram mesmo durante a pandemia, mantendo, para isso, os cuidados recomendados. "As pessoas continuam precisando do nosso sistema, não só para a covid-19, como para outros tratamentos". A reitora agradeceu também ao MEC, à Sesu/MEC e à Ebserh pelo apoio logístico e financeiro, fundamentais para a entrega do HU2 e colocou a universidade à disposição. "Estamos com muito vigor para o trabalho e estamos aqui para devolver à população a verba que é investida na nossa instituição", concluiu.

 Placa foi descerrada durante cerimônia realizada hoje
Placa descerrada durante cerimônia realizada no dia 23 de julho de 2020


Lido 596 vezes Última modificação em Segunda, 10 Agosto 2020 17:56

Mídia