Técnicas geológicas otimizam a busca pelo óleo combustível

Estudantes do IMar/Unifesp são capacitados para entender como funcionam reservatórios subterrâneos de hidrocarbonetos por meio da análise de rochas na superfície

Lu Sudré

Paredão de pedra, dois pesquisadores examinam ele

(Imagem: arquivo pessoal)

A exploração de reservatórios de hidrocarbonetos, substâncias orgânicas que compõem o petróleo, é um dos fatores essenciais para o desenvolvimento econômico de um país. As moléculas do principal recurso não renovável produtor de energia, formadas por carbono e hidrogênio, estão presentes nos poros mais profundos e extensos de rochas sedimentares, e, em busca de facilitar o acesso humano ao ouro negro, projetos têm sido aperfeiçoados a cada dia para otimizar o processo de extração. 

Uma formação interdisciplinar para os profissionais da área se faz cada vez mais necessária. Com esse objetivo, a docente Liliane Janikian, coordenadora do curso de Engenharia do Petróleo do Instituto do Mar (IMar/Unifesp) – Campus Baixada Santista, tem se dedicado a projetos de pesquisa com os estudantes da graduação dos cursos de Engenharia de Petróleo e Recursos Renováveis. A investigação busca identificar reservatórios complexos a partir de análises dos afloramentos (rochas expostas na superfície da Terra), com características análogas aos corpos sedimentares e estruturas subterrâneas. 

A partir dos conhecimentos da área de Geologia, os futuros profissionais aprendem a analisar as dimensões do material em diversas escalas, suas relações espaciais, e a reconhecer descontinuidades estruturais difíceis de serem imageadas nos reservatórios profundos. Quando estes dados são utilizados de forma complementar aos dados de subsuperfície dos reservatórios, coletados por métodos geofísicos e pelos dados obtidos diretamente nos poços de petróleo, é possível planejar o posicionamento de poços com maior assertividade para uma produção do óleo mais efetiva.

Liliane Janikian

Liliane Janikian, coordenadora do curso de Engenharia do Petróleo do Instituto do Mar

Adquiridas por meio de drones e visitas a campo, as informações - que também são coletadas por pós-graduandos da Universidade de São Paulo (USP), orientados pela docente - são usadas pelos estudantes para a aplicação de diversas técnicas que visam obter uma correlação entre a permeabilidade e as diversas fácies (c0mposição mineral) e elementos arquiteturais das rochas, gerados em bacias sedimentares de distintas idades. Os dados são posteriormente aplicados em um software para criar um modelo geológico análogo ao de subsuperfície. Os pesquisadores trabalham com materiais de unidades sedimentares depositadas em ambientes fluviais, depósitos gerados por rios, mas o conhecimento pode ser aplicado em outras áreas de exploração do hidrocarboneto. 

“O objetivo é treinar o futuro pesquisador e profissional da indústria do petróleo para lidar com todas as etapas de aquisição dos dados e as escalas de estudo de reservatórios de hidrocarbonetos, que é um trabalho bastante complexo", afirma Janikian. “As pesquisas auxiliam na criação de modelos geológicos que podem ser utilizados na indústria, mas, principalmente, permitem que os estudantes aprendam a previsibilidade de reconhecimento de camadas menos permeáveis ou mais permeáveis no reservatório análogo ao ambiente que está sendo estudado”. 

A docente comenta que, geralmente, os engenheiros da indústria petrolífera são treinados somente quando iniciam no mercado, ao passo que os estudantes da Unifesp já recebem este conhecimento ao longo do curso, além de obterem um conhecimento interdisciplinar mais amplo, e consequentemente iniciam suas carreiras com uma diferença de know-how muito relevante. 

“Quanto mais abrangência o profissional tiver em uma formação multidisciplinar, mais chance terá de desenvolver novas tecnologias”, explica a pesquisadora. “Os estudos têm resultados lentos, que às vezes são caros, mas são necessários e compensam. Se conseguirmos uma previsibilidade de uma característica do reservatório que aumente 2% da recuperação do petróleo, já é um grande ganho econômico”.

Estudantes em campo

Estudantes em campo para coleta de amostras dos afloramentos com o objetivo de mapear e descrever suas características (imagens: Arquivo pessoal)

Artigos relacionados:

ALMEIDA, Renato Paes de; GALEAZZI, Cristiano Padalino; FREITAS, Bernardo Tavares; JANIKIAN, Liliane; IANNIRUBERTO, Marco; MARCONATO, André. Large barchanoid dunes in the Amazon River and the rock record: implications for interpreting large river systems. Earth and Planetary Science Letters, v. 454, p. 92–102, 15 nov. 2016. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0012821X16304587>. Acesso em: 17 nov. 2017.

ALMEIDA, Renato Paes de; FREITAS, Bernardo T.; TURRA, Bruno B.; FIGUEIREDO, Felipe T., MARCONATO, André; JANIKIAN, Liliane. Reconstructing fluvial bar surfaces from compound cross-strata and the interpretation of bar accretion direction in large river deposits. Sedimentology, v. 63, n. 3, p. 609–628, abr. 2016. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/sed.12230/abstract>. Acesso em: 17 nov. 2017.

TAMURA, Larissa Natsumi; ALMEIDA, Renato Paes de; TAIOLI, Fabio; MARCONATO, André; JANIKIAN, Liliane. Ground Penetrating Radar investigation of depositional architecture: the São Sebastião and Marizal formations in the Cretaceous Tucano Basin (Northeastern Brazil). Brazilian Journal of Geology, v. 46, n. 1, p. 15-27, mar. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-48892016000100015>. Acesso em: 17 nov. 2017.

Pró-Reitorias

Unidades universitárias

Campi

Links de interesse