Rei dos mares em perigo

Núcleo de pesquisa desenvolve marcadores genéticos que auxiliam na fiscalização da pesca ilegal de espécies de tubarão e raias

Lu Sudré

imagem de um tubarão no mar

Imagem: enz1m3 (CC BY-SA 2.0)

A captura de tubarões aumentou significativamente nos últimos anos e pode levar algumas espécies à extinção. O alarmante cenário é resultado, principalmente, da intensificação do consumo de uma sopa produzida com as nadadeiras do animal, muito apreciadas em algumas culinárias, especialmente a da China, além do consumo de sua carne. Atualmente a pesca movimenta um lucrativo mercado globalizado, tendo o Brasil como um grande exportador das nadadeiras, que são enviadas principalmente por meio dos portos em Itajaí (SC), Belém (PA) e Natal (RN). 

Legalizado no país, o comércio das barbatanas deve seguir regulamentações como a obrigatoriedade de identificação de todas as espécies no livro de bordo das embarcações e em todo o processo até o despacho para China, além da indispensabilidade do desembarque dos tubarões com suas nadadeiras naturalmente aderidas, como forma de combate à prática do finning, método em que apenas as nadadeiras são cortadas, seguido da devolução dos tubarões ao mar. Os poucos tubarões que resistem ao processo sofrem uma morte lenta e dolorosa. 

Apesar da lei, a prática ainda é muito registrada. Barcos estrangeiros já tiveram grandes lotes de barbatanas apreendidos devido a irregularidades quanto à declaração das espécies, fato que configura crime ambiental. 

A identificação morfológica dos tubarões é um dos empecilhos na fiscalização de diversas espécies protegidas, já que são animais muito semelhantes entre si e que, ainda por vezes, têm suas cabeças e nadadeiras cortadas antes do desembarque, fator que atrapalha o trabalho nas estatísticas pesqueiras. De acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), apenas 20% do total das capturas de tubarões e raias no Brasil recebem alguma menção à classificação taxonômica e, mesmo assim, na maioria dos casos refere-se apenas aos nomes populares, e, muitas vezes, esta identificação é referência para mais de uma espécie.

Coordenado pelo docente Fernando Fernandes Mendonça, o Núcleo de Genética Pesqueira e Conservação (Genpesc) do Laboratório de Biotecnologia Marinha do Instituto do Mar (IMar/Unifesp) – Campus Baixada Santista passou a aplicar a genética forense em tubarões e raias, resultando no desenvolvimento de marcadores genéticos para a identificação das espécies mais frequentes nas pescarias e que pode até mesmo apoiar investigações e processos de órgãos oficiais do governo no combate à captura e comércio de espécies ameaçadas. 

mendonça

Mendonça aplica genética forense para a identificação de espécies desde sua pesquisa de mestrado, desenvolvida em 2006

“As amostras para estudos científicos, pequenos fragmentos de qualquer parte dos tubarões, são recolhidas nos desembarques da pesca e em pontos de venda. Em seguida são levadas ao laboratório para análise. Nesses estudos são comumente encontrados exemplares do tubarão-martelo Sphyrna lewini, dos cações-anjo Squatina guggenheim e Squatina oculta e da raia-viola Pseudobatus horkelli. Todas estas espécies ameaçadas e sob proteção legal com proibição da captura, embarque e comercialização”, afirma Mendonça. 

Após desenvolver métodos que utilizam regiões específicas do genoma e geram fragmentos de análises em eletroforese, técnica usada para separar fragmentos de DNA, o Genpesc passou a utilizar também a metodologia de DNA Barcoding, que possibilita a leitura das sequências de DNA em um determinado gene e permite a identificação de espécies de maneira semelhante a um código de barras comum.

Segundo Mendonça, em uma análise de DNA de uma apreensão de nadadeiras efetuada pelo Ibama no litoral do Rio Grande do Norte, foi comprovado o crime ambiental em ao menos 12% das nadadeiras destinadas à China, pela declaração falsa do nome das espécies. Além das declarações falsas, também foi identificado a pesca e comércio de espécies ameaçadas e atualmente protegidas no Brasil, dentre elas o tubarão-das-galápagos Carcharhinus galapagensis, (criticamente ameaçado), cação-fidalgo Carcharhinus obscurus (ameaçado) e tubarão-bico-fino Carcharhinus perezi (vulnerável).

Considerada uma iguaria na China e símbolo de ascensão social, a sopa de barbatanas é um consumo antigo dos povos chineses e, além do status social, foi difundida como um prato de características medicinais e afrodisíacas. Atualmente, existem diversos grupos de ambientalistas que combatem a exploração dos tubarões para este fim. “O fim da cultura do consumo deve ser ainda mais trabalhado do que o próprio combate à captura e comércio dos tubarões”, pontua Mendonça.

Artigos relacionados:

DE FRANCO, Bruno Alexandre; FORESTI, Fausto; MENDONÇA, Fernando Fernandes; OLIVEIRA, Claudio. Illegal trade of the guitarfish Rhinobatos horkelii on the coasts of central and southern Brazil: genetic identification to aid conservation. Aquatic Conservation, v. 22, n. 2, p. 272-276, mar. 2012. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/aqc.2229/abstract>. Acesso em: 10 nov. 2017.

MENDONÇA, Fernando Fernandes; HASHIMOTO, Diogo Teruo; DE FRANCO, Bruno Alexandre; FORESTI, Fábio Porto; GADIG, Otto Bismarck Fazzano; OLIVEIRA, Claudio; FORESTI, Fausto. Genetic identification of lamniform and carcharhiniform sharks using multiplex-PCR. Conservation Genetics Resources, v. 2, p. 31–35, dez. 2010. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/225758438_Genetic_identification_of_Lamniform_and_Carcharhiniform_sharks_using_multiplex-PCR>. Acesso em: 10 nov. 2017.

MENDONÇA, Fernando Fernandes; HASHIMOTO, Diogo Teruo; FORESTI, Fábio Porto; OLIVEIRA, Claudio; GADIG, Otto Bismarck Fazzano; FORESTI, Fausto. Identification of the shark species Rhizoprionodon lalandii and R-porosus (Elasmobranchii, Carcharhinidae) by multiplex PCR and PCR-RFLP techniques. Molecular Ecology Resources, v. 9, n. 3, p. 771–773, maio 2009. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/51119542_Identification_of_the_shark_species_Rhizoprionodon_lalandii_and_R-porosus_Elasmobranchii_Carcharhinidae_by_multiplex_PCR_and_PCR-RFLP_techniques>. Acesso em: 10 nov. 2017.

CAMARGO, Sâmia M.; COELHO, Rui; CHAPMAN, Demian; HOWEY-JORDAN, Lucy; BROOKS, Edward J.; FERNANDO, Daniel; MENDES, Natalia J.; HAZIN, Fabio H. V.; OLIVEIRA, Claudio; SANTOS, Miguel N.; FORESTI, Fausto; MENDONÇA, Fernando Fernandes. Structure and genetic variability of the oceanic whitetip shark, Carcharhinus longimanus, determined using mitochondrial DNA. Plos One, v. 11, n. 5, maio 2016. Disponível em: <http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0155623>. Acesso em: 10 nov. 2017.

Pró-Reitorias

Unidades universitárias

Campi

Links de interesse