Sexta, 31 Janeiro 2020 13:44

Um museu que inspira o futuro

Parque de Ciência e Tecnologia, instalado no Campus São José dos Campos, recebeu cerca de mil visitas desde sua inauguração

Entreteses097 Parque de Ciencia e Tecnologia

 

Texto: Valquíria Carnaúba

Há coisa melhor do que aprender experimentando? Essa é uma das propostas do Parque de Ciência e Tecnologia, instalado há pouco mais de cinco anos no Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT/Unifesp) - Campus São José dos Campos. Criado em 2014 para promover a divulgação de experimentos científicos e tecnológicos, de caráter interativo e interdisciplinar, o espaço já recebeu mais de mil pessoas, entre alunos, professores, funcionários e público externo, desde o início de seu funcionamento. Com financiamento concedido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), entre os anos de 2014 e 2017, o que era para ser um projeto transformou-se em programa de extensão. Por ter atingido objetivos mais amplos, como a divulgação do trabalho realizado no ICT/Unifesp e a popularização da ciência e da tecnologia, permanece até hoje com as portas abertas ao público, embora conte com o suporte exclusivo da comunidade acadêmica. 

A ação extensionista desenrolou-se há cinco anos, a partir da união de sete subprojetos, gerenciados por diferentes equipes de professores responsáveis, cada qual dentro de sua área de atuação: Integrando as Neurociências Cognitivas; História do Computador; Ovo de Colombo de Tesla; Moléculas e suas Propriedades; Ilustrando Conceitos Físicos e Matemáticos; Conjunto de Experimentos em Realidade Aumentada (Cera); e Núcleo Educacional de Tecnologia Social e Economia Solidária (Netes) Itinerante: Caminhos para CT&I e Sustentabilidade. Atualmente, o Parque de Ciência e Tecnologia encontra-se instalado no andar térreo do ICT/Unifesp e divide-se em duas partes: a interna, com 92 m², delimitada por divisórias de octanorm, onde estão dispostas mais de 20 atrações, e a externa, um hall de exposição de 20 m² com itens variados – de máquinas de escrever antigas a cartões perfurados, precursores da memória usada em computadores.

O espaço foi inspirado em outros museus de ciências, como o Catavento Cultural (São Paulo), Sabina - Escola Parque do Conhecimento (Santo André) e Museu da Ciência Prof. Mário Tolentino (São Carlos). Seu conteúdo é especialmente aproveitado por estudantes do ensino fundamental e médio, pois envolve conceitos de física, química, biologia e computação, instigando os visitantes a compreender o funcionamento dos aparatos de forma mais aprofundada. No início de suas atividades, o museu era coordenado por Ana Carolina Lorena, ex-professora associada e orientadora permanente de programas de pós-graduação do campus (hoje no Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA), e contava com o suporte de bolsistas atuantes na monitoria. Hoje, está sob a responsabilidade da Câmara de Extensão e Cultura (Caec), com Claudio Shida, coordenador do bacharelado interdisciplinar em Ciência e Tecnologia (BCT), à frente do desafio de manter ativo o espaço. 

Após a criação do Parque de Ciência e Tecnologia, outras iniciativas semelhantes começaram a surgir na cidade, a exemplo do Museu Interativo de Ciências Casa do Saber Marechal Aviador Casimiro Montenegro Filho. “Durante todo o processo, fui-me aproximando de pessoas que estavam envolvidas com esse tipo de divulgação científica em São José dos Campos. Roberto Stempniak, professor aposentado do ITA e coordenador do projeto Ciência no Parque, foi uma delas. A cada 15 dias, Stempniak vai ao Parque Vicentina Aranha, de forma voluntária, explicar experimentos científicos. No fim, todo o mundo se encontra, formando uma rede de auxílio mútuo”, relata Lorena.

Outro exemplo de parceria possibilitada pela rede de apoio é a exposição itinerante Plataforma Zebrafish, idealizada por Mônica Lopes Ferreira, do Instituto Butantan (órgão vinculado à Secretaria de Estado da Saúde), e sob responsabilidade de Katia Conceição, coordenadora do Bacharelado em Biotecnologia do ICT/Unifesp. Conforme observa Luciane Capelo, professora adjunta do campus e atual coordenadora da Caec, o painel montado no quarto andar do instituto traz detalhes sobre o zebrafish, um peixe de aquário da espécie Danio rerio, de pequenas dimensões, também conhecido como Paulistinha. O painel veio para o museu do ICT após um concurso entre diversas instituições do Brasil e fez parte, por muito tempo, de uma exposição no Instituto Butantan. “Fechamos parcerias com quem já tem o material. Dessa forma, expandimos a visita ao parque para o campus todo, mobilizando mais pessoas, difundindo o conhecimento e encantando todos os que adentram a universidade aqui em São José dos Campos”, complementa. 

Entreteses098 bolsistaKevinMatsuoka de Almeida

Entreteses098 augmented reality sandbox

O bolsista Kevin Matsuoka de Almeida, estudante do ICT/Unifesp, monitora as visitas ao Parque de C&T. O espaço conta com diversas atrações, como o augmented reality sandbox, aparato composto por um software que projeta linhas topológicas em elevações de uma caixa de areia / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 globo de plasma

As atrações globo de plasma / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 associacao de polias

Associação de polias / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 docentes

As docentes Luciane Capelo e Ana Carolina Lorena, junto ao diretor do Campus São José dos Campos, Horacio Hideki Yanasse / Fotografia: Valquíria Carnaúba

Entreteses098 tabela periodica

Capelo mostra a tabela periódica interativa, exposta no Parque de C&T / Fotografia: Valquíria Carnaúba

“O Parque de Ciência e Tecnologia é isso: um espaço em que o jovem entra e brinca. Queremos fomentar nele o instinto de investigação, e aqui é o local seguro para essa exploração.”

Luciane Capelo

Espaço para experimentar e brincar

Durante a visita da reportagem, um dos estudantes que interagiam com os dispositivos em exibição tentou carregar o celular encostando-o no globo de plasma – esfera de vidro no interior da qual são emitidas descargas elétricas que provocam a excitação e a ionização de átomos do gás contido nesse espaço. Parece absurdo? “O inventor sérvio-americano Nikola Tesla, conhecido por suas contribuições revolucionárias no campo do eletromagnetismo, queria resolver a eletricidade sem fio”, provoca Lorena. Capelo complementa. “Isso é legal. O estudante observou a energia e testou no mesmo instante. É o que o cientista faz: observa o que parece impossível em certo momento, estabelece um controle e experimenta. Pode ser que esse observador, futuramente, procure saber mais sobre como funciona o celular dele, sobre a geração de energia ou sobre o próprio Tesla. E aí começa a identificação: quando o jovem tenta entender aonde o cientista chegou e aonde ele próprio pode chegar. A exposição atinge os visitantes por meios que não conseguimos dimensionar.” 

O Parque de Ciência e Tecnologia mantém estreita relação com o ensino de graduação e pós-graduação, dando visibilidade à produção acadêmica de docentes e discentes. Há experimentos que abordam conceitos avançados nas ciências, possibilitando que os próprios professores se coloquem à disposição do público para explicá-los: é o caso da bobina e do ovo de Colombo de Tesla. Para Lorena e Capelo, o atual desafio é encontrar formas de efetivar a manutenção dos equipamentos instalados no espaço, pois as peças sofrem desgaste, um problema de que todo parque tecnológico, todo museu compartilha. Ambas afirmam que, se uma das atrações sofrer danos, a recuperação desse item virá (com sorte) do projeto específico de alguma disciplina.

Como o financiamento do CNPq durou quatro anos e, após 2017, não foram mais publicados editais específicos para a construção de museus e centros de ciência, o Parque de Ciência e Tecnologia mantém sua qualidade graças ao apoio dos docentes e dos próprios alunos. “Estes, durante o trabalho de monitoria, cultivam a proatividade, autoconfiança, senso de pertencimento e capacidade de comunicação e gerenciamento de pessoas – habilidades muitas vezes não desenvolvidas em sala de aula. A boa formação propiciada pela Unifesp se dá nessa conexão do conhecimento teórico de excelência com a prática. Aqui, estabelecemos relações próximas, afetuosas, que têm como base a formação científica”, ressalta Capelo. 

O agendamento de excursões – para os interessados – passa longe da burocracia. “As escolas entram no site, preenchem o formulário de contato e enviam as informações necessárias, tais como nome da escola e data da visita”, finaliza Lorena.

Entreteses099 grafitesVespa

O Parque de Ciência e Tecnologia destaca-se também pela arte. Internamente, suas divisórias exibem grafites de ícones científicos (vide acima), concebidos e executados pelo artista plástico Vespa (Claudinei Oliveira), renomado grafiteiro de São José dos Campos

Entreteses099 biografiasCientistas

Na parte externa, foram adesivadas pequenas biografias de grandes cientistas (inclusive brasileiros), ligados às áreas abordadas pelos subprojetos

parquectict.sites.unifesp.br

www.facebook.com/pctict

 
Publicado em Edição 12

Abertura acontecerá no dia 26/11, com a exibição de um documentário e mesa-redonda com o artista; inscrições até 22/11

Publicado em Eventos Arquivados

De 17/10 a 27/10/2017

Publicado em Eventos Arquivados

De 10 de maio a 30 de junho no espaço de exposições temporárias do prédio da Reitoria

Publicado em Eventos Arquivados
De 8 de março e 8 de maio de 2017, no térreo do prédio da Reitoria

Publicado em Eventos Arquivados