Objetivo é facilitar a articulação e a convergência de pesquisadores(as) das diversas áreas do conhecimento que estudam aspectos da pandemia

Publicado em DCI_BOLETIM_REITORIA

Financiamento tem como objetivos valorizar e incentivar a produção científica, tecnológica e de inovação de destaque em suas respectivas áreas

Publicado em Notícias Arquivadas

Reitora da Unifesp, Soraya Smaili, assinou portaria que institui a data no calendário da universidade

Publicado em Notícias Arquivadas

Dia 13/02, às 10h, no Núcleo de Educação Infantil – Escola Paulistinha de Educação 

Publicado em Eventos Arquivados

Inscrições abertas até 25/2

Publicado em Eventos Arquivados
Palestra tem inscrições abertas até 26 de agosto
Publicado em Eventos Arquivados
Terça, 25 Junho 2019 15:29

App com a sua “cara”

Novo aplicativo é o primeiro a utilizar dados sociodemográficos, culturais e comportamentais do Brasil para aumentar o nível de atividade física na população em geral

Entreteses11 p058 app

 

Texto: Ana Cristina Cocolo

Pesquisadores do Instituto de Saúde e Sociedade (ISS/Unifesp) - Campus Baixada Santista, em cooperação com a Universidade Federal de São Carlos (UFScar) e três universidades holandesas (Universidade de Amsterdã, Universidade de Ciências Aplicadas de Amsterdã e Universidade de Utrecht), estão desenvolvendo um aplicativo para celular (app) de atividade física totalmente personalizada, de acordo com as características sociodemográficas, culturais e comportamentais do Brasil e da Holanda. 

O projeto, intitulado Paul (Playful Active Urban Living), vem de uma parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e a Organização Holandesa para Pesquisa Científica (NWO) e tem como objetivo desenvolver um aplicativo de smartphone inovador para aumentar o nível de atividade física de adultos. 

De acordo com o fisioterapeuta e professor associado da Unifesp, Victor Zuniga Dourado, que atua nesse projeto desde 2017 como pesquisador principal no Brasil, o estudo piloto do aplicativo será realizado ainda no primeiro semestre de 2019, a princípio nas cidades de Santos (SP) e Amsterdã (Holanda). No entanto, o projeto tem parceiros em outros centros urbanos, como São Carlos (SP) e São Paulo, para tornar o estudo multicêntrico. 

Dourado explica que o app pretende corrigir funcionalidades já existentes em outros aplicativos e aprimorá-las de acordo com as necessidades de cada indivíduo. “O primeiro recurso diferenciado será o uso de inteligência artificial, ou seja, o uso de mineração de dados e aprendizado de máquinas (do inglês mining e machine learning) possibilitando ao usuário interagir com o sistema”, diz. “Caso o indivíduo não responda aos estímulos enviados, o app buscará outras estratégias de incentivo para manter a prática de atividade e exercício físicos, utilizando jogos, métodos de compensação (recompensas), barras de progresso e redes sociais para criar um ambiente competitivo entre os usuários”. 

O app, segundo ele, também oferecerá o máximo de técnicas de mudança de comportamento, utilizando-se da Psicologia Esportiva. Dos 25 tipos de técnicas existentes, os apps atuais exploram, em média, apenas seis. 

Outro ponto inédito e que será trabalhado no projeto é a capacidade do sistema de se comunicar com os beacons em espaços públicos. Os beacons (balizas em português) são sensores que emitem informações, por meio da tecnologia bluetooth (rede sem fio), como uma espécie de GPS que consegue localizar o usuário e indicar ou sugerir uma determinada ação nos aplicativos de smartphones e tablets. “Uma das funcionalidades, por exemplo, é enviar um vídeo de tutorial de como usar os aparelhos de ginástica instalados em locais públicos, assim que o indivíduo estiver próximo a uma área que ofereça esses equipamentos”, explica Dourado. “Para isso, estamos em negociação com as prefeituras para a instalação desses sensores nas cidades que sofrerão as intervenções do projeto, como nos 7 km da orla de Santos, devido à extensa busca de cidadãos para realizar atividades físicas no local”. 

Captura e cruzamento de dados

Para a elaboração do app, os pesquisadores utilizaram-se de questionários específicos e de um banco de dados contendo quatro anos (2013 a 2017) de histórico de mais de 10 mil holandeses, usuários do aplicativo de corrida Mylaps, com idades entre 18 e 65 anos. No total são cerca de 440 mil execuções de atividades dos usuários, identificados por um ID exclusivo. Entre as informações estão desde datas de execução dos exercícios até frequência e duração, clima, temperatura, vento e umidade para cada execução. Um rastreador GPS embutido no dispositivo móvel também forneceu sinais de localização que foram usados para extrair vários recursos de contexto geográfico que poderiam influenciar na atividade física. 

No Brasil, a equipe aplicou, até o momento, a versão brasileira do questionário utilizado com corredores da Holanda em 245 participantes da pesquisa intitulada Estudo Epidemiológico do Movimento Humano (Epimov), realizada em Santos (SP). Quando questionados sobre o uso de aplicativos para atividade física, 23% responderam que utilizavam esse recurso. O perfil dos usuários era predominantemente masculino, mais jovens, com posição socioeconômica maior, melhor composição corporal e maior nível de atividade e aptidão física quando comparados aos não usuários de aplicativos. Diferentemente do dado da Holanda, uma das respostas às questões entre os entrevistados no Brasil e que chamou a atenção dos pesquisadores foi que 58% dos participantes responderam que nunca utilizavam o smartphone durante a atividade física por questões de segurança. Além do questionário, os participantes também tiveram avaliados a função pulmonar e vários índices de atividade física e condicionamento físico. 

Com o cruzamento dos dados holandeses e brasileiros, as equipes montaram o app que passará por avaliação em fases distintas, nos dois países, com menos participantes, antes do estudo em larga escala. A primeira será a aplicação de uma pesquisa qualitativa do programa, para ajustes necessários. A segunda será um estudo piloto com o uso dos beacons.

Entreteses11 p059 pesquisadores

Da esquerda para direita: Karlijn Sporel (doutoranda), Victor Zuniga Dourado, Marije Deutekom (pesquisadora principal), Ben Krose (pesquisador principal) e Nicky Nibbeling (pesquisadora associada) (Imagem: Arquivo pessoal)

 

Artigos relacionados:

BARBOSA, Alan Carlos Brisola; SPERANDIO, Evandro Fornias; GONZE, Bárbara de Barros; SPINA, Giovanna Domingues; ARANTES, Rodolfo Leite; GAGLIARDI, Antônio Ricardo de Toledo; ROMITI, Marcello; DOURADO, Victor Zuniga. A new equation to predict peak VO2 in obese patients during cardiopulmonary exercise testing. Clinical physiology and functional imaging, v. 38, n. 3, p. 462-467, maio 2018. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28707733 >. Acesso em: 26 de mar. 2019.

JAMAR, Giovana; GAGLIARDI, Antônio Ricardo de Toledo; ALMEIDA, Flávio Rossi de; SOBRAL, Mariana Ribeiro; PING, ChaoTsai; SPERANDIO, Evandro Fornias; ROMITI, Marcelo; ARANTES, Rodolfo Leite; DOURADO, Victor Zuniga. Evaluation of waist-to-height ratio as a predictor of insulin resistance in non-diabetic obese individuals. A cross-sectional study. Sao Paulo Medical Journal, v. 135, n. 5, p. 462-468, set./out. 2017. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29116305 >. Acesso em: 26 mar. 2019.

 
Publicado em Edição 11
Página 1 de 2