Terça, 28 Março 2023 07:43

Projeto da Unifesp quer conscientizar e estimular a conservação de raias marinhas no litoral de SP

Por Alexandre Milanetti*

Foto Nauther Andres portal
Mergulhador e um raia-prego (Bathytoshia centroura) no Parque Estadual Marinho da Laje de Santos/SP

Cerca de 70 espécies de raias podem ser encontradas em águas do litoral brasileiro. E 36 delas ocorrem no litoral do estado de São Paulo. Com o objetivo de conscientizar a população e estimular a conservação destas diferentes espécies de peixes cartilaginosos, pesquisadores(as) do Instituto do Mar da Universidade Federal de São Paulo (IMar/Unifesp) - Campus Baixada Santista estão desenvolvendo, desde o último mês de janeiro no litoral paulista, o projeto Viu Raia?, em parceria com a Universidade Estadual Paulista (Unesp), campi São Vicente e Registro, além da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

O projeto foi dividido em duas etapas. Na atual fase, chamada ciência cidadã, os trabalhos visam sensibilizar a população para ajudar nos esforços de preservação dos animais. “A partir dos registros feitos por mergulhadores(as) recreativos(as), nós cientistas coletamos informações sobre quais são as espécies mais comuns de raias e em qual época do ano elas ocorrem no litoral de São Paulo e com que frequência são feitos os avistamentos”, explica Fábio Motta, professor do IMar/Unifesp e do Laboratório de Ecologia e Conservação Marinha (LabecMar) da instituição.

O pesquisador revela também que estes registros fotográficos são divulgados pelos(as) próprios(as) mergulhadores(as), ajudando assim no monitoramento das raias, contribuindo ainda com dados sobre ocorrência de espécies e sazonalidade. "Nossa ideia é também ajudar com um guia para que os(as) próprios(as) mergulhadores(as) possam identificar as espécies avistadas, com dicas e ensinamentos", fala Luíza Chelotti, pesquisadora do IMar/Unifesp também ligada ao projeto e que é responsável por fazer as entrevistas com os(as) mergulhadores(as).

Ela ressalta que, nessa primeira parte das atividades, acontecem a coleta das imagens e um trabalho de formação dos(as) próprios(as) mergulhadores(as). “Trata-se de um projeto de ciência cidadã, que ajuda a melhorar a capacidade deles(as) próprios(as) na identificação das raias", completa Luíza.

ProjetoViuRaia portal 2
Luiza Chelotti, pesquisadora do IMar/Unifesp, entrevistando mergulhador para o projeto Viu Raia?

Segunda etapa

Num momento mais adiante, será planejado no projeto um programa de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) para a preservação das raias. Segundo o professor Motta, a ideia é que mergulhadores(as) recreativos(as) – e, futuramente, outros(as) agentes, como o próprio governo – passem a contribuir com um valor que seria revertido aos(às) pescadores(as) artesanais que capturem raias e devolvam o animal vivo ao mar. “Se os(as) pescadores(as) forem orientados(as) a soltar estes espécimes capturados vivas, eles(as) receberão um pagamento por raia devolvida à natureza, evitando assim prejuízos na sua atividade econômica”, analisa um dos coordenadores do LabecMar.

Ele revela que, no país, na maioria das vezes, os dados estatísticos sobre a pesca de tubarões e raias são reunidos em categorias multiespecíficas como cação e raia, respectivamente, sendo pouco úteis para as medidas de gestão pesqueira e conservação.

"Sabemos que as raias estão entre os animais mais ameaçados do planeta, com cerca de 36% das espécies com algum grau de extinção. No Brasil, essa taxa pode chegar a 30% quando incluímos os tubarões também, embora os dados sobre o tema sejam escassos", aponta Luíza. Para a pesquisadora, a viabilidade do plano de pagamento depende, de um lado, dos(as) mergulhadores(as) estarem dispostos(as) a contribuir e, do outro, dos(as) próprios(as) pescadores(as) terem intenção de participar do processo da soltura.

Luíza reitera um ponto fundamental sobre o projeto: "É importante para nós usarmos novas ferramentas para falar de conservação. Atualmente, quando se fala em preservar espécies o foco é na biodiversidade, mas não podemos ignorar os desafios sociais daquelas pessoas que, muitas vezes, precisam da prática pesqueira para garantir a própria seguridade alimentar deles e da família".

Foto Domingos Garrone Neto portal
Soltura de uma raia-viola (Pseudobatos horkelli) pelo professor Fabio Motta na Ilha Anchieta

O retorno para a sociedade do projeto Viu raia? seria, na visão conjunta de Luíza e Motta, a longo prazo, aumentar as populações de raias e promover mais avistamentos pelos(as) próprios(as) mergulhadores(as). “E, quem sabe, tornar a região da Baixada Santista um polo de atração turística para mergulhadores(as) recreativos(as) interessados(as) em ver estes espécimes de peixes”, desejam ambos.

O projeto tem ainda o apoio do Instituto Linha D’Água, uma ONG fundada em 2013 em São Paulo, atuando com iniciativas voltadas à conservação da biodiversidade social e marinha das regiões costeiras do norte do Paraná até o sul do Rio de Janeiro.

*Com informações do UOL

 

Lido 2768 vezes Última modificação em Terça, 02 Abril 2024 13:31

Mídia