Quinta, 18 Maio 2017 15:32

Confira as moções e apoios em prol do Hospital São Paulo

Hospital São Paulo Abraço

Associação Brasileira de Hospitais Universitários e de Ensino (Abrahue)

A Associação Brasileira de Hospitais Universitários e de Ensino (Abrahue), entidade sem fins lucrativos, que representa os interesses de hospitais universitários e de ensino do país, vem a público manifestar sua extrema preocupação com a saúde pública brasileira, em particular com as instituições que congrega. Estes hospitais são responsáveis por mais de cinquenta por cento dos procedimentos de média e alta complexidade, além de participação ativa na formação de recursos humanos de várias áreas. São, em muitos locais, a única possibilidade de uma assistência que agregue valor ao diagnóstico e tratamento efetivo, oportuno e qualificado e têm um importante papel na pesquisa científica e inovação tecnológica em saúde.

Leia na íntegra

Deputada Fedral Mara Gabrilli

A deputada Federal Mara Gabrilli (PSDB/SP) manifestou apoio ao Hospital São Paulo.

Leia na íntegra

Sindicato dos Trabalhadores da Universidade Federal de São Paulo (Sintunifesp)

Conforme deliberação da Plenária Nacional da Fasubra Sindical de 8 e 9/7, aprovamos em assembleia da nossa categoria, ocorrida em 27/7, o Dia Nacional de Luta e Paralisações em defesa das instituições de ensino públicas.

Leia na íntegra

Deputado Federal Ivan Valente

O deputado Federal Ivan Valente (PSOL/SP) manifestou apoio ao Hospital São Paulo.

Leia na íntegra

Deputado Estadual Geraldo Cruz

O deputado Estadual Geraldo Cruz (PT/SP) publicou artigo de opinião na página da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), solicitando apoio ao Hospital São Paulo.

Leia na íntegra
Deputado Federal Ricardo Izar

O deputado federal Ricardo Izar (PP/SP) encaminhou uma moção, desenvolvida pela bancada paulista da Câmara dos Deputados, ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, solicitando apoio ao Hospital São Paulo.

Leia na íntegra
Senadora Marta Suplicy

A senadora Marta Suplicy (PMDB/SP) enviou um ofício ao ministro da Saúde, Ricardo Barros, solicitando apoio ao Hospital São Paulo e alertando sobre os prejuízos para a população e para o ensino.

Leia na íntegra
Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp)

MOÇÃO Nº 41, DE 2017

O Hospital São Paulo, vinculado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), é o maior hospital universitário federal do Brasil. Atende a uma área de mais de 5 milhões de habitantes e recebe pacientes de todos os Estados da Federação. Hoje, enfrenta uma crise orçamentária gravíssima, devida ao significativo aumento no número de atendimentos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), não acompanhado de um proporcional aumento nos repasses financeiros do sistema, e à suspensão das transferências de recursos do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf).

Instituído pelo Decreto Federal nº. 7.082, de 27 de janeiro de 2010, o Rehuf destina-se à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados ao SUS (artigo 1º), e tem como objetivo criar condições materiais e institucionais para que essas unidades de saúde possam desempenhar plenamente suas funções em relação às dimensões de ensino, pesquisa e extensão e à dimensão da assistência à saúde (artigo 2º).

O Anexo I da Portaria Interministerial ME/MS/MP nº. 883, de 5 de julho de 2010, lista os hospitais integrantes do programa no ano de sua instituição. Uma das entidades listadas é o Hospital São Paulo — hospital universitário da Unifesp. Ademais, o §1º do artigo 1º do ato normativo reitera: “Aplica-se o disposto nesta Portaria, no que couber, aos Hospitais São Paulo e de Clínicas de Porto Alegre”.

Leia na íntegra
Conselho Superior da Universidade Federal de São Paulo 

Moção do Consu/Unifesp contra o corte de repasses de recursos do REHUF ao Hospital São Paulo

10 de maio de 2017

Nos últimos meses, o Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Universidade Federal de São Paulo (HSP/HU/Unifesp), vem enfrentando uma crise grave e inédita. Medidas recentes limitaram gravemente sua capacidade financeira. A suspensão inexplicável de repasse dos recursos do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF) vem acarretando um estrangulamento progressivo de sua capacidade operacional. Difícil acreditar que órgãos governamentais não reconhecem, ou não querem reconhecer, que este hospital é um dos mais importantes hospitais universitários da rede federal do Brasil.

No momento que a sociedade reclama da recompensa social dos impostos recolhidos, o governo não pode cortar recursos de um dos mais eficientes prestadores de serviços de saúde à população, sendo, o Hospital São Paulo referência do Sistema Único de Saúde (SUS) para cerca de 5.800.000 de pessoas só na cidade de São Paulo. Com portas abertas, o ensino, a pesquisa e a formação de milhares de profissionais da saúde são realizados há quase um século neste hospital, que é uma entidade única e exemplar no sistema. É inquestionável que o Hospital São Paulo é de fato, o hospital universitário da Unifesp.

Leia na íntegra
Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes)

8 de maio de 2017

Ofício Andifes nº 074/2017

Senhor Ministro,

Cumprimentando cordialmente Vossa Excelência, fazemos referência ao ofício assinado pelo Secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, o qual comunica a suspensão do pagamento do Rehuf 2017 ao Hospital São Paulo; bem como a Portaria Nº 1.093, de 28 de abril de 2017 que não elenca o referido hospital a receber recursos do Rehuf.

Considerando o papel da Andifes como membro do comitê gestor do Rehuf, considerando que de acordo com o estabelecido pela Andifes em 2010, junto ao Ministério da Saúde, todos os hospitais que atendem o SUS, independentemente da dimensão percentual, deveriam receber proporcionalmente o Rehuf, e considerando encaminhamento do Conselho Pleno da instituição, vimos solicitar a reconsideração sobre a alocação de recursos do programa Rehuf ao Hospital Universitário da Unifesp, o Hospital São Paulo (HSP), diante dos motivos que apresentamos a seguir.

É inquestionável que o Hospital São Paulo é de fato, o hospital universitário ligado à Universidade Federal de São Paulo, e que tem servido como campo de formação e estágio para mais de 1.164 alunos de graduação dos Cursos de Medicina e de outros cursos das Ciências da Saúde, 2.632 alunos de pós-graduação, bem como campo de residência para 1.107 residentes médicos e 575 residentes multiprofissionais. Sem contar todos as demais ofertas de formação na área da extensão e pesquisa. Em suma, trata-se de serviço que possui função estratégica no ensino da saúde, abrigando os alunos de graduação, pósgraduação e de residência médica e multiprofissional da Unifesp/EPM, e não apenas isso, é um dos principais hospitais de referência quaternária para a rede de assistência do Estado e da Cidade de São Paulo. 

Leia na íntegra
Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco)

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Abrasco – vem a público manifestar seu apoio àsmobilizações e manifestações do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Universidade Federal de São Paulo (HSP/HU/Unifesp), bem como de seu corpo docente, discente, de funcionários e servidores. 

Nos últimos meses, o HSP/HU/Unifesp vem enfrentando uma crise grave e inédita. A suspensão inexplicável de repasse dos recursos do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF) vem acarretando um estrangulamento progressivo de sua capacidade operacional.

Leia na íntegra
Centro Brasileiro de Estudos da Saúde - Núcleo São Paulo

7 de junho de 2017

(...) 

O Centro Brasileiro de Estudos da Saúde – Cebes, instituição histórica da Reforma Sanitária Brasileira, recebe com temor, os informes a respeito das políticas financeiras impostas para o Hospital São Paulo, Equipamento de Ensino e Assistência de Excelência, especialmente nesta conjuntura que assombra os Sistemas de Saúde. A opção deliberada por asfixiá-lo financeiramente atende, exclusivamente, à lógica tecnicista, com interpretações discutíveis a respeito da legislação que lhe é pertinente; e à lógica permanente de sinalização ao ajuste e à austeridade, descontinuando o cuidado e a formação.

Levantar suspeitas a respeito da inserção do Hospital São Paulo no seio da Comunidade Acadêmica da Universidade Federal de São Paulo, tensionando seu financiamento por meio da suspensão dos recursos previstos pelo Programa de Expansão e Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), indicando contradições em Equipamentos de Saúde que dialoguem e componham assistência com o referido Hospital, é constituir falso constrangimento, tendo em vista a aplicação da mesma política de transferência de verbas em outras realidades do país.

Não há outra expectativa, nem mesmo outra possibilidade, que não as de restauração dos investimentos e recuperação da higidez econômica do Hospital São Paulo, recobrando sua participação plena na Rede de Assistência à Saúde e na formação de novos profissionais para o Sistema, impedindo continuado sucateamento e desestabilização do acesso à saúde e ao cuidado, marco civilizatório fundante de nossa sociedade. O Centro Brasileiro de Estudos da Saúde, para tanto, insta às esferas ao diálogo, à premente elaboração de um plano de revitalização e coloca-se à disposição para construção de encaminhamento salutar e democrático.

Leia na íntegra
Congregação da Escola Paulista de Medicina

Carta aberta à população: o Hospital São Paulo poderá fechar suas portas!

10 de abril de 2017

É do conhecimento de todos que o país atravessa uma crise sem precedentes. Sofrem todos, em especial os mais carentes de recursos.

E quanto mais carentes, mais dependentes do sistema de saúde oferecido pelo governo federal, o SUS. Hospitais públicos são sua única chance de tratamento, particularmente quando média e alta complexidade demandam profissionais de alto gabarito para doentes graves e sem condições de utilização da rede de saúde privada.

Hospitais universitários cumprem este papel por disporem de profissionais treinados e de formação acadêmica imprescindível para situações de risco. Esta é a razão pela qual, em geral, Hospitais Universitários estão no topo da cadeia de atendimento, dito terciário. O atendimento multidisciplinar, com especialistas trabalhando ombro a ombro para mitigar doenças complexas, fazem parte da rotina destas instituições.

Leia na íntegra
Conselho Regional de Enfermagem (Coren-SP)

Coren-SP manifesta apoio a profissionais do Hospital São Paulo

12 de abril de 2017

Diante da decisão do conselho gestor e da direção executiva do Hospital São Paulo/Hospital Universitário/Unifesp de suspender as internações eletivas desde 31 de março, o Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) vem a público manifestar o seu apoio aos profissionais que atuam na instituição. Essa situação é decorrente da séria crise financeira e assistencial enfrentada nos últimos anos, agravada pela instabilidade econômica do País e pela natural migração de usuários para o Sistema Único de Saúde (SUS). O Coren-SP constatou irregularidades na instituição, fazendo os apontamentos necessários para a regularização do atendimento.

Leia na íntegra
Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp)

Cremesp manifesta preocupação com a crise financeira e assistencial do Hospital São Paulo

11 de abril de 2017

O Cremesp vem a público manifestar seu apoio ao Hospital São Paulo/Hospital Universitário/Unifesp (HSP/HU/Unifesp) que, desde a última semana, suspendeu temporariamente as internações eletivas, passando a atender apenas casos de urgência e emergência. Tal fato ocorreu devido à crise financeira e assistencial pela qual o hospital atravessa, agravadas pela situação econômica precária do País e pelo crescimento da migração de usuários para o SUS.

Leia na íntegra
Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM) publica carta de apoio da Andifes

Carta de apoio ao Hospital São Paulo

17 de maio de 2017

Fazemos referência ao ofício assinado pelo Secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, o qual comunica a suspensão do pagamento do Rehuf 2017 ao Hospital São Paulo; bem como a Portaria Nº 1.093, de 28 de abril de 2017 que não elenca o referido hospital a receber recursos do Rehuf.

Em relação a este grave fato, considerando o papel da Andifes como membro do comitê gestor do Rehuf, considerando que de acordo com o estabelecido pela Andifes em 2010, junto ao Ministério da Saúde, todos os hospitais que atendem o SUS, independente da porcentagem, deveriam receber o Rehuf, considerando a manifestação do pleno da instituição, vimos solicitar a reconsideração sobre a alocação de recursos do programa Rehuf ao Hospital Universitário da Unifesp, o Hospital São Paulo (HSP), diante dos motivos que apresentamos a seguir:

É inquestionável que o Hospital São Paulo é de fato, o hospital universitário ligado à Universidade Federal de São Paulo, e que tem servido como campo de formação e estágio para mais de 1.164 alunos de graduação dos Cursos de Medicina e de outros cursos das Ciências da Saúde, 2.632 alunos de pós graduação, bem como campo de residência para 1.107 residentes médicos e 575 residentes multiprofissionais. Sem contar todos as demais ofertas de formação na área da extensão e pesquisa. Em suma, trata-se de serviço que possui função estratégica no ensino da saúde, abrigando os alunos de graduação, pós-graduação e de residência médica e multiprofissional da Unifesp/EPM, e não apenas isso, é um dos principais hospitais de referência quaternária para a rede de assistência do Estado e da Cidade de São Paulo.

Leia na íntegra
Comissão de Mobilização do Internato EPM/UNIFESP

Situação do Hospital Universitário da Unifesp

10 de maio de 2017

Os alunos do internato do curso médico da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, reunidos em assembleia geral no dia 10 de maio de 2017, deliberaram pela elaboração do presente documento a respeito da situação financeira do Hospital São Paulo, nosso Hospital Universitário.

O hospital sofre há anos um problema crônico de subfinanciamento. Temos um contrato com o Sistema Único de Saúde que não contempla a totalidade dos atendimentos que realizamos, além de não sofrer reajustes considerando a inflação, sabidamente maior no setor da saúde. A demanda por atendimento em nossa porta cresce exponencialmente, em especial na conjuntura nacional atual, onde uma série de pacientes nos procuram após terem perdido seus empregos e planos de saúde.

Leia na íntegra
Lido 2992 vezes Última modificação em Segunda, 28 Agosto 2017 11:15

Mídia

Pró-Reitorias

Unidades universitárias

Campi

Links de interesse