Equipe Assessoria de Imprensa

Ex-Libris SP

Alexandre Milanetti (16) 99783-4305
Denis Dana (11) 98726-2609
Jayme Brener
Pedro De Biasi

Telefone: (11) 3266-6088, ramal 208
E-mail: imprensa@unifesp.br


Quarta, 20 Abril 2022 13:59

Trabalho da Unifesp em parceria com pesquisadores franceses mostra como cães usam diferentes tipos de vocalizações para variadas finalidades

Entendimento na comunicação é a chave de sucesso para o bom relacionamento entre bichos e seus(suas) tutores(as)

Por Denis Dana

Cão de raça Golden retriever com a língua para fora
(Imagem ilustrativa)

Os cães ocupam um lugar muito especial na vida dos seres humanos, são considerados membros da família, convivendo de forma muito próxima. Para que essa convivência e relação seja com o máximo de harmonia possível, a comunicação é considerada uma das principais chaves do sucesso. Os cães estão sempre atentos aos gestos, movimentos corporais e direção do olhar de seus(suas) tutores(as) que, por sua vez, também são capazes de interpretar as expressões corporais e sinais comunicativos dos cães como olhares e vocalizações. O Laboratório de Etologia Canina da Universidade Federal de São Paulo (Leca/Unifesp) desenvolve vários estudos sobre essa temática e, no mais recente, publicado na revista Applied Animal Behaviour Science e que contou com a parceria de pesquisadores(as) franceses(as), a equipe identificou diferentes tipos de vocalizações para diferentes finalidades.

“Embora o repertório de vocalizações dos cães seja extenso, com latidos, gemidos, choramingos, ganidos, rosnados, entre outros, diversos estudos já verificaram que os seres humanos são capazes, por exemplo, de classificar latidos de brincadeira, agressividade, medo, somente escutando ‘playbacks’, sem ter a informação prévia sobre qual o contexto em que os latidos aconteceram. Para ter essa habilidade de discriminar tão bem essas vocalizações, os seres humanos usam características acústicas como tonalidade e intensidade do som”, explica Carine Savalli Redigolo, professora da Unifesp e coordenadora do Leca.

Como exemplo, latidos graves com intervalos curtos entre eles são usualmente classificados pelas pessoas como agressivos, enquanto latidos agudos com intervalos mais longos são classificados como de brincadeira. Já os choramingos normalmente são reconhecidos em contextos que envolvem saudações, frustração e busca por atenção.

No recente estudo com a coautoria de Carine, 51 cães foram observados e filmados por 30 segundos diante de uma situação em que havia uma comida desejável em cima de uma prateleira, visível, mas fora do alcance. Para ter acesso a essa comida, os cães precisavam da cooperação dos seus tutores, e dessa forma o contexto procurou estimular os cães a usarem sinais comunicativos.

“Diante da cena, os cães se comunicaram principalmente por meio de olhares, alternando-os entre seus tutores e a comida desejada. Mas, alguns deles também usaram vocalizações associadas a estes olhares, e nós pesquisadores buscamos investigar se havia diferença entre as propriedades acústicas das vocalizações direcionadas aos(às) tutores(as) e à comida”, descreve Carine.

Foram identificados dois principais tipos de vocalizações: latidos e choramingos e, de acordo com Carine, “os choramingos aconteciam mais quando os cães estavam olhando para os(as) tutores(as) do que quando estavam olhando para a comida, o que sugere que neste contexto em que os cães precisavam da cooperação de seus tutores, as vocalizações do tipo choramingo foram usadas como uma forma do cão chamar para si a atenção do seu(sua) tutor(a), para então mostrar a comida desejada, numa tentativa de passar de forma mais clara possível a mensagem. Uma grande demonstração de comunicação entre as espécies”.

A coordenadora do Leca/Unifesp destaca que “a comunicação tão complexa e elaborada estabelecida entre cães e seres humanos é um fenômeno único no reino animal. Envolve duas espécies com mecanismos sensoriais diferentes, mas que desenvolveram habilidades para se compreenderem mutualmente. Tais habilidades promovem a aproximação e fazem dessa relação uma das mais importantes tanto para os cães quanto para os seus(suas) tutores(as)”.

Lido 1900 vezes Última modificação em Quarta, 16 Novembro 2022 14:01

Mídia