Quarta, 16 Dezembro 2020 15:25

Unifesp dá início ao primeiro PAPS sediado no Campus São Paulo

De autoria da bióloga Dulce Casarini, projeto é o primeiro coordenado por uma servidora técnica administrativa em educação

Por José Luiz Guerra

Foi assinado, na manhã de 15 de dezembro, o Projeto Acadêmico de Prestação de Serviços (PAPS) do Laboratório de Rim e Hormônios da Unifesp, denominado Análise Hormonal, Enzimática, Peptídica e Quantificação de Imunossupressores Utilizando Metodologia de Última Geração em Amostras Biológicas de Diferentes Origens. É o primeiro PAPS sediado no Campus São Paulo da Unifesp e também o primeiro conduzido por uma servidora técnica administrativa em educação na instituição. A responsável é a bióloga Dulce Casarini, ligada à disciplina de Nefrologia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp).

Além da autora do projeto, participaram da reunião virtual de assinatura do PAPS a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, a diretora do Campus São Paulo, Rosana Puccini, e sua vice, Beatriz Castilho, o diretor da EPM/Unifesp, Manoel Girão, e seu vice, Fúlvio Scorza, o pró-reitor de Extensão e Cultura em exercício, Magnus Regius Dias da Silva, a pró-reitora de Administração, Tania Mara Francisco, o vice-diretor da Agência de Inovação Tecnológica e Social (Agits/Unifesp), Marcos Bizeto, o diretor-presidente da Fundação de Apoio à Universidade Federal de São Paulo (FapUnifesp), Jair Chagas, a diretora administrativa do Campus São Paulo, Sinara Farago, e a assessora do Gabinete da Reitoria, Larissa Beltramim.

Reunião marcou assinatura do primeiro PAPS no Campus São Paulo
Reunião marcou assinatura do primeiro PAPS no Campus São Paulo

Os PAPS são constituídos como atividades extensionistas intersetoriais, realizadas pelas unidades acadêmicas da Unifesp, e têm como instância de articulação e acompanhamento do Comitê PAPS, coordenado pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec) - com a participação da Agência de Inovação Tecnológica e Social (Agits), pela Pró-Reitoria de Administração (ProAdm), pelo Gabinete da Reitoria e pela FapUnifesp.

Os projetos elaborados pelas unidades acadêmicas nas Unidades Universitárias contemplam a prestação de serviços a partir do ensino, pesquisa ou extensão, com participação de servidores(as) públicos(as) - técnicos administrativos e docentes e de colaboradores, e podem abranger os diversos tipos de análises demandadas à universidade por entidades públicas e privadas, tais como serviços técnicos especializados, serviços de laboratório, atividades de consultoria, assessoria e curadoria prestados à comunidade (saiba mais neste link).

Magnus Regius Dias da Silva afirmou ser um momento de celebração, após muito tempo de trabalho. "Acreditamos nessa estrutura desde 2017, quando criamos grupos de trabalho para discutir a política de inovação, a gestão e regulação de atividades dos centros multiusuários. Foi um caminho tortuoso, de construção e de muito aprendizado". O pró-reitor de Extensão e Cultura em exercício mencionou a Resolução nº 138 de 11 de outubro de 2017, aprovada pelo Conselho Universitário e que normatizou os PAPS, seguindo depois na regulamentação da política de inovação tecnológica, social e em políticas públicas da Unifesp, pela Resolução nº 170, de 10 de abril de 2019.

Jair Chagas destacou o intenso trabalho de orientação que a FapUnifesp desenvolve junto aos proponentes para a criação do PAPS em consonância com o ensino, a pesquisa e a extensão. "É o preço de todos os aprendizados. Aprendemos a lidar com diversas outras questões, em busca de parcerias e projetos para a Unifesp, como a Lei Rouanet e as doações, e temos avançado bastante nos entendimentos necessários para desenvolver ações para a implantação do marco legal da ciência, tecnologia e inovação".

Marcos Bizeto parabenizou pelo projeto, enfatizando a importância do trabalho coletivo das Pró-Reitorias, da Agits, do Campus e das Escolas, a partir da proposta trazida pela pesquisadora, em interlocução com a FapUnifesp, modelo que também possibilitará avanços nas parcerias para desenvolvimento, pesquisa e inovação.

A diretora do Campus São Paulo, Rosana Puccini, destacou a importância das parcerias com o setor privado. "Estamos buscando caminhos que possam nos abrir mais possibilidades. Parabenizo quem participou desse grande momento". Já Sinara Farago, diretora administrativa, lembrou que este foi o primeiro PAPS do Campus São Paulo e que outros quatro estão em desenvolvimento e serão assinados em breve, e reforçou a importância dos(as) TAEs que atuam na fiscalização dos contratos, com o intuito de atender o que rege a legislação.

"É sempre bom podermos avançar nos processos. É um ganho para a Unifesp no ensino, pesquisa e extensão e não apenas uma prestação de serviços. Cada vez mais conseguiremos colocar este modelo pra funcionar, fazendo correções nas planilhas, no intuito de termos um projeto correto", disse Tania Mara Francisco. Já o diretor da EPM/Unifesp, Manoel Girão, classificou a assinatura do contrato como um momento feliz frente a um ano especialmente difícil para todos e elogiou o trabalho de Dulce. "Que ele possa servir de modelo. Parabéns a todos(as) os(as) envolvidos(as) nessa ideia brilhante. Seu trabalho honra a EPM e a Unifesp e é uma grande satisfação tê-la em nosso quadro há tanto tempo".

A responsável pelo projeto, Dulce Casarini, lembrou que foi um longo período para a elaboração, aprovação e formalização e que o apoio que recebeu das equipes do Campus São Paulo, da FapUnifesp e da Reitoria foi fundamental para a assinatura do contrato que, em sua visão, é o início de um processo. "Fiquei feliz com o Marco Legal da Startup (aprovado na Câmara dos Deputados em 14/12/20). Tenho me reunido com empresas que querem investir no projeto e constantemente perguntam se tenho interesse em criar uma Startup a partir desse PAPS", disse. A bióloga espera também que seu projeto possa beneficiar pessoas tanto da Unifesp quanto de outras instituições.

Finalizando a reunião, a reitora parabenizou e elucidou a importância de todos e todas envolvidos(as) no processo em especial à Dulce Casarini. Destacou também a importância dos PAPS e dos demais convênios e parcerias acadêmicas, com a prevalência do interesse público, que possibilitam que a instituição ofereça sua estrutura e a expertise de seus(suas) técnicos, docentes e pesquisadores(as) para o desenvolvimento científico e tecnológico junto aos parceiros externos e à sociedade. "Vamos fazer muitos outros PAPS que vão trazer recursos para a instituição. Parabenizo a todos e todas pelo fantástico trabalho desenvolvido", finalizou. 

Ao final da reunião, o PAPS foi assinado
Ao final da reunião, o PAPS foi assinado


Lido 883 vezes Última modificação em Terça, 22 Dezembro 2020 20:44

Mídia